Novo livro aborda a escravidão em São Carlos

A EdUFSCar está lançando o livro "A Escravidão em São Carlos/SP - Inventário analítico", de autoria de Álvaro Rizzoli. A obra integra a coleção "África e Diáspora" e trata, de forma sistemática e abrangente, da escravidão na região de São Carlos, focalizando a condição negra em várias dimensões.

Cadastrado em 30/11/2018 10:27

Entrevista por CCS UFSCar

Novo livro aborda a escravidão em São Carlos

O autor conta que o livro surgiu a partir de pesquisa sobre imigrantes italianos. Na ocasião, chamou a atenção dele um conjunto significativo de autos judiciais que envolviam escravos. O segundo passo foi pedir autorização para a Curia Diocesana de São Carlos para investigar documentos envolvendo escravos, a exemplo de registros de batismo, óbitos e casamentos.

Como integrava o Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB) da UFSCar, Rizzoli organizou toda a documentação em um inventário. "Este é um trabalho que visa atender a pesquisadores interessados no tema escravidão, sobretudo em São Carlos. Sabemos que há dificuldades em se ter acesso a essas fontes. Então, o intuito foi organizar toda a documentação para que sirva de fonte de estudos", explica o autor.

"Essa memória da escravidão em São Carlos desperta curiosidade, remete à busca de novas fontes também porque rompe com o desconhecimento sobre as relações da sociedade são-carlense com escravizados. Da mesma forma, espera-se que ajude a reconstruir relações étnico-raciais que valorizem igualmente a todos os são-carlenses, descendentes de europeus, de africanos e demais povos que vêm, ao longo dos séculos, formando os cidadãos e as cidadãos da cidade", escreveu na apresentação da obra Petronilha Beatriz Gonçalves e Silva, Professora Emérita da UFSCar.

Já para o professor Ademil Lopes, da Universidade Estadual Paulista (Unesp), o livro é "instigador de reflexão, revelador de uma realidade social que ainda precisa e deve ser adequadamente aprendida, embora 130 anos da abolição do regime escravista tenham transcorrido. A obra insere no debate novas fontes para uma releitura de como a escravidão consolidou um processo que preserva e mantém rastros seculares de uma sociedade desigual, sendo os negros, em sua maioria, os testemunhos vivos desta parcela de brasileiros humilhados e esquecidos (...) o trabalho pretendeu - acima de tudo - revelar dados, fatos, verdades, que são difíceis de ouvir e digerir, levando o leitor ao âmago da realidade dos negros não só na região como em todo o País, longe de leituras enviesadas pela ditadura de posturas ideológicas que envenenam as discussões intelectuais".

Mais informações, clique aqui.


Tags da postagem

Escravidão Comportamento Social imigrantes italianos

Comentários

Para comentar, acesse com seu Passaporte Archipèlagus validado.

Acessar